Mostrando postagens com marcador preconceito. Mostrar todas as postagens

Almeida, Djaimilia Pereira de . Esse cabelo: a tragicomédia de um cabelo crespo que cruz fronteiras / Djaimilia Pereira de Almeida. – Ri...

Almeida, Djaimilia Pereira de. Esse cabelo: a tragicomédia de um cabelo crespo que cruz fronteiras/ Djaimilia Pereira de Almeida. – Rio de Janeiro: Leya, 2017.
Além de contar a inusitada história de um cabelo crespo, este livro fala também de racismo, feminismo e identidade. A novíssima estrela da literatura portuguesa chama-se Djaimilia Pereira de Almeida — e é angolana. José Eduardo Agualusa Um romance surpreendente que mistura memória, imaginação e crítica social com humor e leveza na medida certa, mas que também discute temas atuais e fundamentais como racismo, feminismo, identidade e pertencimento. Esta é a história de uma menina que chegou em Lisboa, aos três anos de idade, saída de Luanda, na África, e das suas memórias ao longo do tempo – porque não somos sempre iguais aos nossos retratos de infância –, mas é também a história das origens do seu cabelo crespo. Sua autora, Djaimilia Pereira de Almeida, está despontando como uma promessa da literatura contemporânea, e virá ao Brasil para participar da Festa Literária Internacional de Paraty, a FLIP, com grande destaque na imprensa. Falar de cabelos é uma bobagem? Não, até porque, segundo a narradora deste livro, “escrever parece-se com pentear uma cabeleira em descanso”; e visitar salões de beleza é uma boa forma de conhecer hábitos, de aprender a distinguir modos e feições e até de detectar preconceitos. Esse Cabelo narra as aventuras de um cabelo crespo – curto, comprido, amado, odiado, que se embrenha por memórias e histórias num convite ao leitor a desembaraçar todos os nós. Cabelo e escrita, identidade e ação. Da raiz às pontas, estamos assistindo também à narrativa da relação entre vários continentes e a uma geopolítica em constante transformação. O lugar de Djaimilia parece ser sempre movediço, e ela tende a fugir de qualquer nicho, etiqueta ou logotipo. Ronaldo Bressane
Classificação:

     Com certeza você já deve ter ouvido essa frase sendo pronunciada diversas vezes durante a vida. Eu já e está cansando! Sim, você é ...

     Com certeza você já deve ter ouvido essa frase sendo pronunciada diversas vezes durante a vida. Eu já e está cansando! Sim, você é homem se for, segundo o dicionário online de português, indivíduo dotado de inteligência(da qual muitos infelizmente não faz uso) e linguagem articulada, bípede, bímano, classificado como mamífero da família dos primatas, com a característica da posição ereta e da considerável dimensão e peso do crânio, possuidor de pênis. Entretanto você não tem o direito de se achar melhor, vomitar conceitos de que pode ou é mais que uma mulher, pois somos seres humanos constituídos da mesma capacidade intelectual. Chega de preconceito! "Eu posso sair com quantas mulheres quiser, mas eu sou homem, né?"; "Eu posso ficar no bar enchendo a cara com os amigos, mas eu sou homem, né?"; "Para mulher isso é muito feio,  mas eu sou homem e posso!". E dai que você é homem?